new media artist

follow me...

Apacheta.

"Estamos contidos. Ônibus apertados, apartamentos pequenos, casas sem quintais, ruas com tráfego intenso. Construções brotam e crescem da noite para o dia. O tempo fica mais raro, espremido entre as horas. E nós, espremidos entre as coisas a serem cumpridas desde a “largada”, ao abrirmos os olhos pela manhã, até a faixa de “chegada”, estendida lá no fim do dia e muitas vezes despercebida. Em meio a nossas ações, nossos olhos estão contidos. São parados por obstáculos, o tempo todo, todo o tempo. Um prédio, um muro, uma parede, um carro, a TV, o computador, o celular. Barreiras  cada vez mais próximas do nosso olhar. Restrição. Esta restrição nos sufoca e pode causar sofrimento. 

Então acontece. Aquele suspiro quase involuntário, como um pequeno gemido, sai de nós quando olhamos o mar, ou estamos no alto de uma montanha, quando o olhar se perde na distância.  Expansão. Os olhos relaxam e fazem um “foco infinito” raro, alcançando uma distância visual que nossos antepassados tinham frequentemente, que nossos instintos buscavam no início dos tempos para avistar presas ou predadores.  Amplitude. 

Assim, nessa restrição atual, como criar um objeto capaz de remeter a essa amplitude sem conter o espaço ainda mais?  Como trazer aos olhos o espaço não contido, a experiência da vastidão sem contê-la em uma imagem? 

Como fotógrafa permito-me dizer que  o confinamento em uma proporção 2x3 por tantos anos me deixa ainda mais inquieta com relação ao espaço aberto. Até  mesmo a fotografia de uma paisagem está longe de dar conta deste “foco infinito”.  O estar presente no espaço em que os olhos descansam é a experiência, mas o representar este estado tem de ser possível. Este é o desafio: trazer uma estrutura em que o olhar descanse, em que dentro do confinamento inevitável da imagem se abra um novo espaço. Não é fotografar o que se vê, mas expressar na imagem o que se sente. Que as imagens possam de alguma maneira ser um vão, abrir uma brecha na constrição do nosso olhar convidando-nos à busca da experiência real do espaço-paisagem."

© PRISCILA FORONE- All rights reserved / Todos os direitos reservados.                                                                                                                                                           ©2017 by 41.